Newsletter
Subscreva a nossa newsletter

Newsletter

FacebookTwitter
Jornal do Concelho de Oleiros | Directora: Daniela Silva | Periodicidade: Trimestral | Abril 2019 nº70 Ano XI
Concelho é exemplo nacional
Oleiros recupera e entrega casas às vítimas dos incêndios de 2017

casas (2).JPG

As primeiras quatro casas das 15 destruídas pelo incêndio de outubro de 2017, já foram recuperadas e entregues aos seus proprietários. As restantes estão em fase de conclusão. Aos poucos, na Aldeia de Álvaro tenta-se voltar à normalidade. Raquel Freire viu a casa onde residia a sua mãe ser destruída pelas chamas. Por isso, no passado mês de fevereiro, a emoção era grande quando entrou na casa totalmente recuperada. "É verdade que as melhores recordações ficaram na casa que ardeu e que ninguém as pode devolver, mas agradeço do fundo do coração a todos quantos contribuíram para que fosse possível a sua reconstrução e também aos que nos apoiaram nos momentos difíceis", disse emocionada ainda no salão nobre da autarquia, onde foram assinados os contratos de entrega de quatro habitações, com a Câmara de Oleiros, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) e os proprietários dos imóveis.

 

Já em Álvaro, entrámos na casa, totalmente recuperada, da mãe de Raquel Freire, onde foi preservada a fachada e onde a albufeira de Álvaro se avista da varanda. A inauguração foi brindada com achigã frito pescado ali mesmo no rio que se vê da varanda da casa por quem sabe da arte.

Mais abaixo, na mesma rua, a rua principal da aldeia que viu as chamas destruir parte da história, Lúcia Mendes também recebeu a sua «nova casa». "Agradeço a todos tudo aquilo que me fizeram e deram nestes meses (…) Está tudo muito bonito e que eu ainda viva alguns aninhos para poder «lograr» da minha casinha", diz emocionada. No dia do incêndio Lúcia Mendes diz ter perdido tudo, menos a roupa que trazia no corpo. "Hoje já tenho alguma coisinha graças a Deus e a quem me ajudou. Estou muito feliz e contente. Só peço que deem muita saúde a quem me ajudou para poderem continuar a contribuir para fazer face a desgraças como estas!", acrescenta.

casas (5).JPG

Para o presidente da Câmara de Oleiros aquele momento marca o início "de um novo tempo". O Concelho de Oleiros foi dos que recuperou mais casas, num curto espaço de tempo, ao abrigo do Programa de Apoio à Reconstrução de Habitações Permanente. Ana Abrunhosa, presidente da CCDRC, ainda no salão nobre da autarquia referiu que esta requalificação só foi possível em tão pouco tempo "porque da parte da Câmara e das Juntas de Freguesias houve um grande trabalho no terreno e porque através do presidente da autarquia foi possível juntar ao processo todos os empreiteiros desta região que manifestaram interesse em participar. Isto fez com que todos trabalhassem em pé de igualdade e sem ruído. Tentámos fazer isto noutros concelhos, mas não foi possível. Graças a este trabalho de proximidade foi possível que este concelho, que foi o último a ter os projetos concluídos, seja o primeiro a ter as casas reconstruidas".

casas (4).JPG

Também Fernando Jorge, presidente da Câmara, explicou que "não era lógico lançar o concurso de apenas uma ou duas casas de cada vez. Havia muitas para recuperar e reconstruir, pelo que tínhamos que as juntar num único processo. Muitas dessas casas ainda não estavam no nome dos seus proprietários. Por outro lado, a presidente da CCDRC exigiu que as casas fossem recuperadas com a máxima qualidade e recorreu à Faculdade de Arquitetura de Lisboa para a elaboração dos projetos. Mas, sendo dos últimos a apresentar os projetos, seremos dos primeiros a ter as casas totalmente reconstruídas e entregues aos seus proprietários".



Enviar por E-mail

(* campos de introdução obrigatória)